Faltarão eletroeletrônicos no mercado

Standard America divulgação

Falta de matéria-prima na indústria eletrônica gera escassez e aumento de preços de produtos, que vão de laptops a respiradores; de placas para lâmpadas domésticas e peças de automóveis 

São Paulo, 31 de janeiro de 2021 – Está ocorrendo, no mercado de eletrônicos, uma escassez de componentes que impede a produção de itens que vão de lâmpadas (sim, elas levam placas eletrônicas dentro delas) a respiradores (tão necessários na pandemia); de computadores a peças para automóveis. E os preços dos eletroeletrônicos já apresentam alta para o consumidor final. “Componentes que comprávamos a 1 dólar chegam a custar 2,50 e já tem fábrica parada por desabastecimento. Estamos recebendo comunicados de indústrias de componentes, de todo o mundo, nos informando sobre novos prazos de entrega e reajustes de preços em todos os tipos de componentes – e, inclusive, repassamos esses comunicados, na íntegra, aos nossos clientes”, comenta Ricardo Helmlinger, CMO da Standard America, indústria de placas eletrônicas. Segundo ele, suas entregas, que eram previstas para 60 dias, agora são combinadas com o cliente para prazos de até 90 dias – e o mercado todo está respondendo da mesma forma.

Por que isso está ocorrendo? Helmlinger explica que não é difícil entender a dinâmica deste mercado. O começo da cadeia de produção de semicondutores, ou chips eletrônicos, está na mão de grandes (e poucas) indústrias asiáticas: as foundries. Elas são as enriquecedoras de silício, produtoras dos wafers, como chamamos os discos de silício semia-acabados que dão origem a todo tipo de chip. Para se ter ideia da importância dessas indústrias, os Estados Unidos anunciaram que instalarão uma fábrica de alta tecnologia e produtividade no Arizona, em breve, a primeira deste nível em todo o território estadunidense. A tecnologia que lá será produzida terá wafers de 5nm.

Para exemplificar, e comparar, o Brasil possui uma foundry, o CEITEC, no Rio Grande do Sul, que podemos classificar como de tecnologia muito mais antiga. O CEITEC produz wafers com tecnologia de 350nm, enquanto a nova fábrica estadunidense produzirá com tecnologia de 5nm. Vale dizer que quanto menor este número (350nm x 5nm), mais moderna e eficiente será a fábrica. Já há, em Taiwan, a previsão de produzir com 3nm. Então, esta camada é onde se incluem as fábricas mais valiosas do mundo, que desenham os chips e fazem o enriquecimento do silício, gerando os wafers, discos de silício com milhões de componentes eletrônicos.

A segunda etapa traz as empresas de encapsulamento dos componentes. Nesta etapa, a quantidade de empresas é muito maior. Aqui, companhias que têm marcas reconhecidas e de maior valor, em muitos casos realizam internamente o serviço, sem terceirização.

A terceira e última a etapa é a do teste final (Back End), que assegura o alto índice de qualidade. A etapa final, de teste e qualidade, também é realizada por poucas empresas – então, temos um gargalo no começo e no final da cadeia de produção.

Depois de entender a dinâmica do setor, chega-se ao ponto em que o mercado está: por que faltam componentes eletrônicos?

No passado, a cada cinco anos, eram geradas situações de alta demanda para o setor, comandadas pelos lançamentos da Apple e respondidas pela Samsung. Ipods, Ipads, Iphones e outras inovações tecnológicas aquecem o mercado, que tem alta demanda e estas fábricas precisam responder com rapidez – o que nem sempre acontece. No mundo atual, esse ciclo de tecnologia está mais rápido e podemos dizer que há novas tecnologias disruptivas em intervalos menores do que os cinco anos, como era antigamente. A nova onda era esperada para o período compreendido entre 2023 e 2024, puxada pelos carros automatizados, drones e outras tecnologias aeroespaciais e de mobilidade.

Porém, a pandemia chegou. Com ela, aconteceu uma desaceleração da produção, na contramão de tudo que vimos até hoje. Plantas foram enxugadas com a redução de demanda na pandemia e equipes demitidas, nos primeiros meses. Porém, o quadro foi revertido rapidamente e a demanda voltou a existir – sem que a capacidade produtiva desse conta dela. E a escassez, é claro, faz o preço subir…

O que está faltando, no momento? Componentes fundamentais para todos os tipos de placas eletrônicas, como capacitores e resistores, por exemplo, que não são os mais caros, mas que são usados aos milhões. Isso impacta na produção pelo volume utilizado – sem esses componentes, não é possível deslanchar a produção. Mas não apenas eles, que foram os primeiros, e sim de forma ampla e generalizada, os semicondutores estão sofrendo aumentos que vão de meros 5% até 250%, em itens específicos.

Prazos de entrega de componentes, que antes eram de quatro semanas, passaram para 26 e até 30 semanas, em alguns casos. Fábricas estão trabalhando com 100% de sua capacidade e não dão conta de entregar toda a demanda, exemplo de uma gigante sul-coreana bastante conhecida.

O mercado deu sinais de carência de produtos a partir de outubro. Quem se antecipou conseguiu comprar com prazo de entrega menor do que o atual. “Os preços da matéria-prima, agora, estão em média de 20% a 50% mais caros, o que se refletirá nos preços finais – vale lembrar que tudo é dolarizado – e os prazos da indústria se estenderam de 60 para 75 a 90 dias. Nós conseguimos comprar antes da demanda e até repassamos o estoque a vários clientes, mas as novas compras já sofrerão com o aumento”, anuncia Helmlinger.

Segundo ele, o mercado se adaptará à nova demanda e recuperará o equilíbrio. “Esse processo costuma levar seis meses e pode ser que até os preços fiquem mais estáveis a partir desse período, quando a demanda reprimida estiver suprida”.

Ele completa: “as indústrias que se prepararam para a pandemia certamente puderam oferecer aos seus clientes um melhor posicionamento de produção, sem que eles deixem de ter produtos para colocar no mercado e, mais do que isso, promovendo economia por já terem adquirido os componentes antecipadamente. Mas, para que isso tenha ocorrido, é necessário já ter passado por alguma experiência anterior semelhante. Quem não viveu algo assim provavelmente estará preparado para a próxima escassez – e ela certamente virá em breve”.

Sobre a Standard America

A Standard America é uma indústria de placas eletrônicas para as áreas de agricultura, automação industrial, automotiva, internet das coisas, telecomunicações, segurança, iluminação, saúde, aeroespacial e indústria naval, com sede em Campinas, filial em Portugal e escritório comercial nos Estados Unidos.

Anúncio