Teorias: O mundo vai acabar este ano?

Têm sido várias as piadas na Internet com todos os acontecimentos negativos que têm assombrado o ano de 2020: os violentos incêndios na Austrália, a morte de Kobe Bryant, a pandemia do novo coronavírus, a ‘saída’ de Harry e Meghan da Família Real britânica ou a invasão de vespas gigantes assassinas, eleições nos EUA são alguns dos exemplos que vários internautas apresentam como prova de 2020 ser ‘O pior ano de sempre’.

Depressa surgiram as comparações ao ano de 2012 quando, segundo o calendário maia, seria o fim do Mundo. Ora acontece que a teoria pode não ser tão estapafúrdia…

Um grupo de teóricos da conspiração assegura que o calendário maia estava certo, mas que foi mal interpretado. Segundo dizem, estamos atualmente em 2012 e o Mundo irá, de facto, acabar.

A bizarra teoria sustenta-se num erro de contagem feito. O calendário Gregoriano, quando foi introduzido em 1582, teria cortado vários dias de cada ano, para melhor representar o tempo que a Terra leva a orbitar em volta do Sol.

Ainda que 11 dias não pareçam muito, ao longo de 286 anos depressa ganham outra dimensão. Um cientista, Paolo Tagaloguin, comentou no Twitter que, de facto “deveríamos tecnicamente estar em 2012”.

“Por 268 anos a usar o calendário Gregoriano (1752-2020)x11 dias = 2948 dias. 2948 dias/365 dias (por ano)= 8 anos.”

Esta cálculo significa que, seguindo o raciocínio, na realidade o fim do segundo semestre de 2020 representa o dia 21 de dezembro de 2012 – precisamente o dia que, segundo o calendário maia, o mundo iria acabar.

A teoria já está a ganhar adeptos nas redes sociais.

Entretanto a NASA já tinha comentado a insólita teoria: “Tudo isto começou com afirmações de que Nibiru, um suposto planeta descoberto pelos sumérios, iria colidir com a Terra. A catástrofe estava ‘prevista’ para maio de 2003, mas quando nada aconteceu mudaram a data para dezembro de 2012 e ligaram-na ao fim de um dos ciclos do calendário maia, no solstício de inverno de 2012 (21 de dezembro).

Não há quaisquer provas que qualquer catástrofe venha a contecer, são tudo suposições, invenções”.

Fonte:CM

Anúncio