A prova da existência de uma partícula que pode revolucionar a computação

Lembra-se do Grande Colisor de Hádrons, construído em Genebra, na Suíça? Agora imagine algo assim, mas do tamanho do diâmetro de um cabelo humano, projetado por um grupo de pesquisadores para fazer um experimento único, reportado pela revista Science.

“Nosso estudo prova pela primeira vez a existência de partículas chamadas anyons”, diz um dos autores do estudo, o físico Manohar Kumar.

Anyons são um tipo de quasipartículas, que são partículas capazes de viajar em estado sólido cercadas por outras partículas que se arrastam à medida que se movem.

No nosso “mundo comum” em 3D, explica Kumar, há dois tipos de partículas: férmions e bósons. Mas os anyons pertencem ao mundo da física 2D, ou seja, seus ambientes são sistemas bidimensionais.

“Existem fenômenos onde as condições físicas literalmente fazem tudo acontecer em 2D. Os físicos costumam dizer que uma das dimensões congela. Assim, embora nosso espaço diário seja 3D, a física de certos fenômenos é realmente restrita ao universo 2D “, explica o blog científico Quantum Tales.

Na Finlândia, a Universidade de Aalto, na qual Kumar trabalha, destacou o trabalho dos cientistas por ser “o primeiro a medir diretamente as propriedades quânticas de anyons, que são consideradas partículas exóticas.

Elaborados teoricamente em 1977, “os anyons foram alvos de experimentos, mas a verdadeira natureza quântica dessas partículas era desconhcida até agora”, diz a instituição.

Gwendal Féve, líder do grupo de pesquisadores (do Laboratório de Física da Escola Normal Superior de París), diz que “a prova definitiva da existência dos anyons é demonstrar que se comportam como algo que está no meio do caminho entre um férmion e um bóson, e é isso que conseguimos mostrar pla primeira vez com esse experimento”.

Os estudos sobre essas partículas são um avanço importante para a física e para o desenvolvimento de tecnologias futuras, como a computação quântica, que promete revolucionar computadores usando a mecânica quântica para resolver problemas milhões de vezes mais rápido do que as máquinas atuais.

Anúncio