Vírus contamina ar e superfícies até quatro metros

O novo coronavírus pode contaminar tanto as superfícies como o ar próximo de doentes contaminados, num raio de quatro metros, revela um estudo publicado esta sexta-feira.

Realizado num hospital de campanha em Wuhan, na China, o estudo, publicada pela revista “Emerging Infectious Disease”, do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) americano, tem uma limitação importante: o teste usado pode detetar a presença do vírus, mas não a quantidade de vírus viável. Esta limitação leva a que não seja possível concluir se a quantidade de vírus presente num espirro ou respiração de um doente pode contaminar alguém que esteja a quatro metros de distância.

Para o estudo, investigadores chineses colheram amostras de uma unidade de terapia intensiva (15 pacientes) num hospital de campanha em Wuhan, entre 19 de fevereiro e 02 de março, bem como de uma unidade de cuidados gerais com pacientes menos graves (24). As amostras estudadas foram retiradas do chão, ratos de computador, latas de lixo, grades de cama, máscaras de pacientes, equipamentos de proteção para cuidadores, saídas de ar e também nos quartos.

“O SARS-CoV-2 foi amplamente distribuído no ar e na superfície de objetos nos departamentos de reanimação e cuidados gerais, o que implica um risco potencialmente alto de contaminação para a equipa de enfermagem e outros contactos próximos” , escrevem os investigadores. Mais de metade das solas dos sapatos da equipa de enfermagem também tinha vestígios do vírus.

“É altamente recomendável que as pessoas desinfetem as solas dos sapatos antes de deixar os serviços onde os pacientes de covid-19 são encontrados”, concluem os investigadores, que também recomendam a desinfeção das máscaras após o uso, antes de as deitar fora.

O principal modo de disseminação do novo coronavírus são as gotículas relativamente grandes produzidas ao tossir ou espirrar.

O novo coronavírus responsável pela pandemia da covid-19, detetado na China em dezembro, já provocou a morte a mais de 100 mil pessoas e infetou mais de 1,6 milhões em 193 países e territórios.

Fonte: Lusa

Anúncio