Um novo amanhã

Quantos de nós acordamos todas as manhãs e perguntamos se esse caos é real? 

 

Esse é o tipo de coisa que vimos em filmes de desastre ao longo dos anos, a única diferença é que isso realmente está acontecendo. Uma cena de ação em Hollywood não será capaz de nos salvar deste receio. Um momento para refletir talvez? Um momento para pensar em todas as coisas que fizemos de errado na vida e todas as coisas que deveríamos ter feito. Que valor damos às coisas que realmente não merecem um elogio quando, na realidade, as coisas mais importantes, as que negligenciamos o tempo todo, desaparecem diante de nossos olhos. 

 

Um grande número de gafanhotos devastam terras de um continente, nações inteiras sendo queimadas até o chão, icebergs derretendo e agora um vírus global varrendo o planeta como uma tempestade. Tudo o que tínhamos como certo agora em seu maior risco. Olhe ao seu redor, procure aqueles que você ama, aqueles que você não disse que ama há muito tempo, aqueles que você não fez um esforço para ver. 

 

Durante esses momentos de desespero, veremos muitas reações diferentes, pessoas aterrorizadas, pessoas em busca de consolo, aqueles que estão arrependidos e tristemente aqueles que desejam capitalizar na miséria dos outros. Quem você será? O que a história dirá desses momentos e como a humanidade reagiu à sua hora mais sombria. Não é uma nação em guerra com outra, mas um inimigo unido que não tem preferência. Somos de lugares diferentes, temos línguas diferentes, comemos comida diferente e vivemos vidas diferentes, mas no final somos todos humanos e isso é uma guerra contra a humanidade. 

 

Essa corrida pela sobrevivência mudará o mundo que conhecemos e, uma vez que a poeira assente, a paisagem será nova, tudo o que podemos fazer é esperar que tenhamos feito o suficiente e que façamos o suficiente para tirar algo positivo disso, deixando mais do que um pedido de desculpas aos nossos netos por nascer sobre o que poderia ter sido. 

 

Somos apenas humanos, estamos cheios de falhas e erros, mas se houver um tempo para unir e desafiar uma mudança, esse tempo é agora, podemos falhar e ter sucesso, mas o que quer que aconteça a partir deste momento, vamos fazê-lo juntos, não como chinês ou italiano. Não como americanos ou iranianos, não como negros ou brancos, nem velhos e jovens, mas como seres humanos, e como seres humanos, podemos ter apenas meia chance.

 

Anúncio