Polícia investiga máscaras de Hitler

A polícia checa iniciou uma investigação depois de os embaixadores da Alemanha e de Israel no país denunciarem a venda, no centro de Praga, de máscaras do ditador nazi Adolf Hitler, informaram este sábado diversos meios de comunicação locais. “Os checos sofreram muito sob o regime nazi. Como é possível que se venda este lixo no centro de Praga?”, escreveu o embaixador alemão na República Checa, Christoph Israng, numa mensagem publicada na sexta-feira na rede social Twitter.

O diplomata alemão incluiu na sua mensagem uma foto da loja onde as máscaras de borracha foram vendidas, aparentemente por ocasião do Dia das Bruxas, embora sem revelar o nome da empresa.

O ministro do Interior Checo, Jan Hamacek, confirmou que a polícia está a investigar a venda das máscaras e se a sua venda constitui algum tipo de crime de ódio. Já o embaixador de Israel, Daniel Meron, também denunciou nas redes sociais a venda deste material, e no Twitter, em resposta à publicação do embaixador alemão, escreveu que as máscaras significam “uma afronta aos sobreviventes do holocausto e à sua memória”.

“Oitenta anos após o início da Segunda Guerra Mundial e 75 após a libertação de Auschwitz, devemos unir forças para lutar contra essa disseminação de extremismo e ódio”, acrescentou, agradecendo ao diplomata alemão o seu alerta para este assunto.

Os historiadores estimam que até 250.000 judeus checos foram mortos no holocausto pelos nazis durante a ocupação do país. Desde 1991, a República Checa — então Checoslováquia — proíbe qualquer exibição pública de ideologias ou movimentos que visem suprimir direitos e liberdades ou incitar ao ódio, embora os símbolos nazis não estejam explicitamente proibidos.

Na Alemanha e na Áustria é proibida a exibição de ideias e objetos ligados ao nazismo. A agência de notícias checa CTK realçou que a polícia já investigou no passado a venda de máscaras de Hitler, tendo concluído que não constituía crime.

Fonte: Lusa