Não se iluda: Rezar para Deus é inútil.

Carmen Thiago
Carmen Thiago – Artista Plástica, ilustradora, designer, poeta e colaboradora do site Na Pauta Online – SP

Porque quando escolhemos crer na falta, estamos mandando uma mensagem ao Universo, que só diz sim. E vosso desejo é uma ordem! Pode entender isso?

Todos nós, de alguma forma fomos ensinados a rezar.

Mas, por falta de conhecimento, e seguindo apenas orientações ou superstições religiosas, estamos rezando a milênios, sem saber, que essas rezas ou orações não surtem nenhum efeito. Basta ver a quantidade de pessoas que rezam por algo e não obtém e então nos confortamos dizendo, que Deus sabe o que faz, pois raramente alguém obtém o que chamamos de milagre. E o pior, crendo sempre que esse Deus está fora de nós. Num céu distante, longe do nosso alcance.

Foi-nos ensinado, que quando queremos algo, que percebemos que não temos acesso, ou poder para ter, que devemos nos dirigir à Deus através de orações, pedindo por esse algo e esperando que Ele nos atenda.

Foram-nos apresentadas várias orações, ou formas de nos dirigirmos à Ele, como fórmulas fixas, ritualísticas, incluindo a repetição das mesmas, como no caso dos terços e novenas que levam as pessoas à uma repetição automática, onde sequer “sentem” o que estão dizendo. Um hábito que está se perdendo, já que ele vem de um tempo onde as religiões tinham mais poder sobre as pessoas através desse Deus temível que nos foi empurrado goela a baixo, que nós humanos criamos a nossa imagem e semelhança muito longe da perfeição, muito diferente do Deus que nos criou à Sua imagem e semelhança em perfeição e poder de co-criadores de sua Criação, e do qual apenas nos “esquecemos que somos”.

Essas rezas são na maioria influenciadas pelas religiões seguidas por nossos pais ou tutores, e que acabamos adotando, ou por outras que acabamos escolhendo ao longo da vida. Isso se tornou um hábito universal, pois todos nós, em algum momento sentimos necessidade de rezar, ou por estarmos assustados, ou sentindo necessidade de algo, ou até nos sentindo temerosos por não fazê-lo, como se Deus fosse se ofender se não o fizermos, e com isso poderemos ser punidos de alguma forma.

Já que nos foi ensinado que devemos temer à Deus, e que ele pode se enfurecer, caso não o adoremos, como se Ele tivesse um Ego enorme e precisasse disso em toda a sua Onipotência infinita.

Além das rezas, ainda foi criada uma quantidade enorme de rituais que devemos realizar para “agradar” a Deus ou aos seus santos para também obtermos algo em troca. Só que isso não procede, pois não são as rezas nem nenhum ritual que nos dão o que queremos ou precisamos, mas, o tipo de sintonia ou freqüência que conseguimos alcançar em nosso interior e que nos colocam na mesma freqüência divina, a que nos habita desde sempre, pois é a nossa verdadeira essência.

Deus em seu Amor incondicional, já nos deu tudo antes mesmo de nos criar através da Lei da Abundância para que todos os nossos desejos fossem atendidos e antes mesmo de desejá-los, pelo Campo de Todas as Possibilidades que Ele criou.

Nesse Campo, tudo que possamos imaginar ou que ainda venhamos a imaginar, ou até o que ainda nem sequer somos capazes de imaginar, já existe.

É o Campo das Infinitas Possibilidades. E como acessá-lo? Através da nossa reconexão com a Fonte. A Fonte Divina que nos habita. O que Jesus chamou de “O Reino de Deus, que está dentro de vós!” – “Vós sois deuses” – E ele ainda acrescenta: – “Buscai primeiro o Reino de Deus, e tudo o mais te será dado por acréscimo”.

Mas como é isso na prática? Primeiro aprendendo a ter certeza, mas uma certeza ABSOLUTA em nosso ser, de que Tudo posso Naquele que me habita e me Fortalece! Sem a menor sombra de dúvida. Ao que se dá o nome de Fé inabalável. E é aí que começa nossa dificuldade.

Como ter esse nível de Fé de que já temos tudo, se só conseguimos focar no que nos falta? Se é sempre no que cremos que nos falta que colocamos toda a nossa força de crença e energia? E se crer é criar, porque é nisso que fomos feitos a imagem e semelhança de Deus, em nosso poder de co-criar com a Sua Criação, então estamos “criando” contra nós mesmos. Estamos criando em nossas crenças do que nos falta, ao invés do que já temos desde sempre.

Escolher crer que algo lhe falta, é considerado o seu querer para o Universo, porque você está escolhendo isso deliberadamente.

Imagine tudo o que você possa querer já existe, inclusive o que crê que lhe falta. A Lei da Abundância funciona para os dois lados, porque ela foi criada para lhe atender no que quer que você escolha. Mas se você crê que não apenas pode, mas que já possui tudo e qualquer coisa que queria, sem a menor sombra de dúvida, com a mesma certeza que tem sobre o que lhe falta, então assim será, da mesma forma.

Um exemplo: Você pensa querer uma casa nova, ou se curar de um câncer, mas apenas seu pensamento de querer a casa nova, ou se curar, não é o que está funcionando, mas, o que você está sentindo, emanando como verdade em sua mente e coração, ou seja, você quer a casa nova porque crê que não a tem e que precisa de muito recurso para tal, e quer se curar do câncer, porque também crê que não tem saúde e se não tem a saúde necessária, essa doença pode lhe matar. Está “vibrando” a crença na falta dessas coisas. E esse é o seu desejo, crer nessas faltas. E se crer é criar…

O Reino, A Mente Cósmica, Deus ou o Universo, como queira chamar, só pode nos dar, aquilo que “escolhemos” crer, que é o nosso livre arbítrio. Aquilo sobre o qual estamos “escolhendo” colocar todo o nosso foco de atenção, e depositando nossa energia, é o que o Universo interpreta como sendo nossa vontade, nosso desejo. E isso gera uma freqüência, como tudo o que escolhemos crer. Se estivermos “escolhendo” ter pensamentos, emoções ou sentimentos de carências ou tristezas, indignação, então o Universo vai nos dar exatamente mais disso.

Se nosso foco de atenção está gerando nessa freqüência contrária ao Amor, a Alegria, Paz, Perfeição, Abundância ou Gratidão, e especialmente a Gratidão, que deveriam ser nossas freqüências naturais, para termos acesso a todo O Reino Divino e suas maravilhas, então estamos “vibrando” errado, ou seja, exatamente contrário ao que pensamos desejar. Porque quando escolhemos crer na falta, estamos mandando uma mensagem ao Universo, que só diz sim. E vosso desejo é uma ordem! Pode entender isso?

E como atingir essa freqüência certa? Parando de dar força ou continuar a alimentar tais pensamentos, emoções e sentimentos de medos, carências ou de falta das coisas, escolhendo de novo. Voltando-nos para “dentro”, ao Reino que nos habita e que Tudo contém e sempre ao nosso dispor, apenas esperando que escolhamos “crer” nessa Abundância interna e eternamente disponível. Parece simples, e é. Mas somos TÃO viciados em nossos medos e em focar no que nos falta, que quando tomamos a atitude de escolher de novo, mudando esse foco de atenção perceberemos de quanto precisamos exercitar nossa crença nessa Verdade, até senti-la de verdade, até vê-la “funcionando” realmente em nossas vidas. Até se tornar nossa Verdade absoluta. E vencer esses antigos vícios, devo dizer… Haja exercício!

Nisso fica a pergunta que devemos nos fazer. O quanto de energia perco “funcionando” errado e quanto estou satisfeito ou insatisfeito com as conseqüências dessa escolha, e o quanto quero mudar esse padrão de minha vida. O quanto estou disposto a me empenhar para gerar tais mudanças. Tudo está em nossas mãos, sempre. Não virá ninguém nos salvar a não ser, nós mesmos. Livre arbítrio lembra? Sou o único diretor do meu filme.

Mas em caso de não saber nem como começar, pode sim fazer uma oração, mas não para pedir coisas, e sim para ajudar a se reconectar a Fonte, para reforçar sua nova crença, com as mensagens poderosas que o próprio Jesus nos deixou.

– O Reino de Deus está dentro de mim.Tudo quanto o Pai tem é meu!

Tudo posso Nele, que me habita e me fortalece. Nada tenho a temer,

pois eu e o Pai, Somos Um!

Assim, aqui me entrego à Tua Divina Presença em mim,

em plena Fé, Paz e Confiança!

E nunca se esqueça…

O mundo é meu espelho. O que está fora, é igual ao que está dentro.

Então, boas novas escolhas!

Namastê!