Toda família tem sua ovelha negra

Quando nascemos entramos num contexto familiar e
histórico próprios do nosso sistema particular.

Por Najla Raydan – Psicóloga Clínica

Acabamos por, na maioria das vezes, entrar como agregados nos sonhos dos demais membros da família. Isto posto, incorporamos sonhos de casamento, família, profissão, conhecimentos, comportamentos, viagens, culinária, desejos e etc… Tudo está fadado a seguir uma mesma cartilha, até que nasça a ovelha negra. Aquela que pergunta os “porquês” de tudo. Que quer ser um profissional diferente do pai e da mãe, e dos tios, e dos irmãos mais velhos. Que vai gostar de rock ou funk, ao invés de MPB, que vai colocar um piercing no nariz e fazer uma tatuagem, que vai usar uma calça rasgada ou um dread… E que vai romper com todos os “pré” conceitos que sua família jurou não ter, mas sempre carregou. Toda família tem um desses e quando a ovelha negra da sua família nascer, acolha-a com muito amor, pois ele veio para sacudir a árvore e derrubar todos os frutos podres que teimavam em manter-se grudados no pé, disfarçados. Acolha-o para não perdê-lo. Porque este tende a conquistar tudo que desejar, com ou sem a sua ajuda. Então prefira ser a lembrança de quem o apoiou do que ser a imagem de quem não acreditou nele. Detalhe: ele vai longe no caminho que escolher, seja do bem ou do mal, e sua presença ou sua ausência podem ser o fator principal para que ele escolha entre a luta honesta ou a marginalidade. Entre a saúde e a doença, o estudo ou as drogas, entre o álcool ou o esporte…